COMO SURGIU A CONTAGEM DO TEMPO.
31/12/2019 20:07 em Novidades

COMO SURGIU A CONTAGEM DO TEMPO?
PARTE I

 

Meus prezados amigos e minhas estimadas amigas; - você já parou para se perguntar: COMO ASSIM? Da onde vem essa ideia de que terminamos 2019 e já estamos em 2020? Como é que surgiu ou se desenvolveu essa tal ORDEM CRONOLÓGICA DO TEMPO para que eu possa dizer que encerramos 2019 e, pela graça de Deus, chegamos ao ano de 2020? Pois bem, partilho aqui, com muito carinho, de um estudo que preparei sobre esse tema. Ele é tão extenso e complexo que tive que dividi-lo em DUAS PARTES. Porém, acredito plenamente que valerá a pena ler, pois, em minha modesta opinião se trata de um conteúdo para lá de interessante, sobretudo para quem, COMO EU, gosta muito de HISTÓRIA!
Vamos então à PRIMEIRA PARTE DESTE TEMA!!!

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

 

UMA BREVE INTRODUÇÃO:


Para estabelecer um início de contagem do tempo (contagem dos dias, semanas, meses e anos), cada civilização deu lá o seu jeito. A História nos mostra que, os PRIMEIROS AGRICULTORES, por exemplo, já conheciam bem as estações climáticas e, em razão disso, passaram a calcular a duração de cada ano entre um verão e outro. Os EGÍPCIOS, por sua vez, estabeleceram o MARCO INICIAL DA CONTAGEM DO TEMPO por volta de 3.000 antes de Cristo tendo por base o reinado dos famosos Faraós. Para os GREGOS, a contagem do tempo passou a ter seu MARCO INICIAL a partir do ano das primeiras Olimpíadas, isso por volta do ano 776 antes de Cristo. Para os ROMANOS, o MARCO INICIAL DA CONTAGEM DE TEMPO está precisamente enraizado na fundação de Roma, isso em 753 antes de Cristo. Já a PADRONIZAÇÃO CRISTÃ DA CONTAGEM DOS ANOS surgiu em 525 depois de Cristo, quando o papa João I resolveu instituir um mesmo calendário para todas as igrejas do Catolicismo ao redor do mundo.

 

Tanto o calendário Romano como o calendário Cristão Católico é o que mais interessa no que diz respeito a esse tema, afinal de contas, todas as citações hodiernas (atual, moderna, contemporânea) – que envolvem datas -, são influenciadas pelo evento do nascimento de Jesus Cristo: Antes de Cristo e Depois de Cristo.

 

O mundo científico, por sua vez, - que procura ser DIPLOMATICO COM O CRISTIANISMO -, prefere usar a sigla inglesa “C.E.”, abreviação de “COMMON ERA” (Era Comum) ou “CHRISTIAN ERA” (Era Cristã), ou ainda, “CURRENT ERA” (Era Atual). Por conseguinte, para os anos antes de Cristo, o mundo científico usa “B.C.E.”, sendo que o “B.”, neste caso, é uma abreviatura da palavra inglesa “BEFORE” (Antes). Às vezes, de forma mais rara, encontramos também nos escritos científicos a abreviação “A.D.”, ou seja, “ANNO DOMINI” (Ano do Senhor). Só aqui já aprendemos observações interessantes, mas vamos adiante! Mergulhemos nessa história!!!

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

 

COMO ERA, E COMO PASSOU A SER...


A História nos conta que, ATÉ O ANO 525 DA ERA CRISTÃ, o mundo ocidental não contava os dias, semanas, meses e ano como hoje. Até então, o marco do início dos tempos era baseado na fundação de Roma – o ano da legendária fundação da “Cidade Eterna”, pelos irmãos Rômulo e Rêmulo, era chamado pelos romanos de “O Ano Zero”. Por sua vez, a chamada - ERA CRISTÃ – na qual estamos inseridos até hoje, foi inventada pelo monge católico Dionysius Exiguus (Dionísio, o Pequeno), que vivia na atual Romênia, atendendo a um pedido do papa João I, isso, no ano de 525 d.C. O objetivo do papa João I, de reformar a maneira da CONTAGEM DOS ANOS, era acabar com a falta de sincronia que até então existia entre as igrejas católicas espalhadas pelo mundo para o cálculo da celebração da Páscoa, a principal festa do Cristianismo. O cálculo para a Páscoa mais conhecido até então havia sido criado pelo bispo da Alexandria, porém acontecia que várias igrejas católicas acabavam seguindo diferentes sistemas, criando uma verdadeira confusão bíblica e celebrativa.

 

Aconteceu então que, no meio de seus cálculos para o NOVO e COMUM calendário da Páscoa, o monge Dionísio resolveu não mais seguir o modelo de calendário elaborado pelo bispo de Alexandria, cujo marco inicial da contagem dos anos datava da posse do imperador Diocleciano (ou seja, o ano 284 d.C.). Para quem não sabe, Diocleciano foi o MAIS TERRÍVEL de todos os imperadores romanos que perseguiram os cristãos. Por causa disso, o monge Dionísio não queria, de forma alguma, perpetuar o nome deste maior perseguidor dos cristãos e então, ele buscou numerar a CONTAGEM DOS ANOS a partir do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo. E assim surgia a nova contagem do tempo e dos anos com a criação da ERA CRISTÃ ou do CALENDÁRIO CRISTÃO DA CONTAGEM DOS ANOS!


ATÉ HOJE, ninguém sabe dizer de maneira precisa COMO o monge Dionísio chegou a esse número. O que sabemos com toda certeza é que o cálculo está UM POUCO ERRADO, um pouco! EXPLICO => hoje somos sabedores que Herodes, que tentou matar Jesus logo após ter recebido a visita dos Reis Magos, - e com isso fez com que a Sagrada Família de Nazaré fugisse para o Egito -, acabou morrendo no ano de 749 da fundação de Roma, ou seja, Herodes morreu 4 ANOS ANTES DO ANO 1 (ano calculado pelo monge Dionísio como sendo o nascimento de Jesus). Todavia, torna-se óbvio que Herodes não poderia ter morrido antes de Cristo. Por essa razão, apesar de ser quase incrível, É BASTANTE SEGURA A TESE SEGUNDO A QUAL Nosso Senhor Jesus Cristo teria nascido cerca de 5 ANOS ANTES DO ANO 1 calculado por Dionísio, ou seja, Jesus Cristo nasceu no ANO 5, ANTES DE CRISTO. (Lendo com calma dá para entender direitinho)!

 

É importante dizer que, A PRINCÍPIO, essa ideia de NOVA CONTAGEM DE TEMPO E DOS ANOS do monge Dionísio demorou bastante para ser aceita. Vejam só, Dionísio elaborou essa NOVA CONTAGEM DOS ANOS em 525 d.C., porém, somente em 731 d.C., com as pregações missionárias do monge Beda, a ideia de Dionísio começou a ser aceita, primeiro na Inglaterra. Em resumo, Portugal acabou sendo o último país cristão do mundo a adotar tal referência contagem dos anos. Ou seja, o monge Dionísio fez um árduo trabalho, mas nunca chegou a ver o mesmo sendo implantado. Demorou, porém, seu trabalho não foi em vão. A contagem dos anos, elaborada pelo monge católico, Dionísio, o Pequeno, é seguida até hoje!

 

E MAIS... praticamente, todos os países do mundo seguem esse esquema de contagem dos anos que o monge Dionísio elaborou, inclusive em países NÃO-CATÓLICOS. O Japão, por exemplo, acabou adotando essa cronologia do tempo em 1873, como parte da ocidentalização do país do sol nascente, promovido pelo imperador Meiji. Da mesma forma, a China também acabou adotando esse modelo de contagem do tempo do monge Dionísio, isso aconteceu em 1949, após a revolução comunista.

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

 

A TÍTULO DE COMPLEMENTO...


É importante observar que a CRONOLOGIA MULÇUMANA é bem diferente dessa cronologia do monge Dionísio que, como vimos, é praticada na maioria dos países espalhados pelo mundo. Para os adeptos do Islã (os mulçumanos) a CONTAGEM DOS ANOS começa com a fuga de Maomé de Meca para Medina, isso aconteceu no ano de 622 d.C. – ou seja -, este é o MARCO DO INÍCIO DA CONTAGEM DOS ANOS PARA OS MULÇUMANOS, a Era Islâmica.

 

Muitos países islâmicos utilizam essa CRONOLOGIA MULÇUMANA, especialmente os países situados no Golfo Pérsico, como a Arábia Saudita e o Iêmen. Para esses países, o mundo está no ano 1.397 (enquanto nós estamos em 2019). Outros países de predominância islâmica, como Egito, Síria e Jordânia, adotam ambas as formas de contagem do tempo (ou seja, estão em 1.397 e, ao mesmo tempo, em 2019 – que confuso hein)! Já a Turquia, o Paquistão e a Nigéria, mesmo sendo países de predomínio islâmico, só utilizam o modelo cristão de contagem dos anos, ou seja, estão em 2019, como nós!

 

Outra coisa muito interessante de se saber, diz respeito ao fato de que NÃO É SÓ A CRONOLOGIA que determina a forma como contamos os anos. Muitas vezes, a extensão dos dias, semanas e meses presentes NO CALENDÁRIO ANUAL também diferem, fazendo com que os anos de uma determinada religião ou nação sejam MAIS CURTOS do que de outras religiões e nações. MAS, ISSO VEREMOS NA PRÓXIMA POSTAGEM, SERÁ A PARTE 2 DESSE TEMA... Até logo mais com a segunda parte!!!


Luís Antônio Favoretto

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!